quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Dois amigos católicos


No início de março de 2005 um casal amigo que, sabendo que nós realizávamos reuniões mediúnicas em tarefas de auxílio solicitou-nos ajuda para diversos problemas que, achavam ser espirituais. Embora não acreditassem muito “nisso dos Espíritos” nada custava pedir apoio.

Colocado o problema ao Guia Espiritual dos trabalhos, no dia 11 de Março de 2005 ele manifestou-se como segue:

“Nós temos o tempo para podermos ajudar quem de nós necessita embora as tarefas nunca tenham fim pois o Espírito não dorme. Somos todos irmãos e todos precisamos de auxílio. Todos usamos os nossos hábitos, as nossas crenças, as nossas religiões, que nos conduzem pelo mundo, uns mais envolvidos, outros mais recuados ou recolhidos de Fé, mas nós de todos os recursos jogamos mãos para vos ajudar no caminho de Jesus.

Vim hoje aqui com o propósito de orientar dois amigos católicos muito crentes como eu fui em tempos da Santa Igreja. Estejamos onde estivermos seja qual for a nossa escolha, se o caminho for de Jesus, todos podemos cumprir a nossa missão. Eu cumpri a minha da forma que o meu espírito escolheu.

Esses dois amigos, que gostam muito de colocar velas, devem colocar três velas, uma cada dia, a Santa Catarina. Uma, rosa, no primeiro dia, uma branca, no segundo dia e uma, azul, no terceiro dia. Rezarão um Pai Nosso, uma Ave-Maria e a Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, segundo as normas da Santa Madre Igreja. Receberão grande ajuda. Grande paz e tranquilidade são necessárias naquele lar, pois muitas turbulências lá coabitam. Nós só nos defendemos na Terra segundo as nossas próprias convicções e não segundo aquilo que nos chega, de fora.

Recomendai-lhes, pois, que se protejam e peçam a esta Santa, tão amada, ajuda. Não é a forma como pedimos, é a fé que depositamos nos nossos pedidos. Só a fé nos permite que recebamos auxílio. Só a fé faz chegar os nossos pedidos a quem nos pode auxiliar, não vos esqueçais disso. Não são as religiões que contam, é o Amor por Jesus, é a Fé no Salvador. Ficai em paz. Chamai Jesus. Mentalizai-O com todas as forças da vossa alma para poder chegar a vós alguém que precisa de vos dar algumas instruções.”
Joanna de Ângelis


domingo, 8 de janeiro de 2017

Evitar manifestações anímicas

Evitar manifestações anímicas

Na nossa reunião do dia 6 de abril de 2006, um Espírito Orientador sugeriu medidas a tomar na condução dos trabalhos mediúnicos por forma a evitar manifestações anímicas.

Eis a comunicação:

“Só uma pequena recomendação. Na condução de vossos trabalhos: como sabeis é importante não a forma, mas o conteúdo, para que possamos levar a cabo, todos em conjunto, as nossas tarefas.
Um de vós deverá manter a vigilância do início ao fim da reunião para que se mantenham as condições de relaxamento, de aprofundamento, do corpo físico e da mente para a necessária incorporação na médium, evitando assim as manifestações anímicas pela pouca concentração.


Devemos ouvir atentamente a oração do nosso querido Evangelho com todos os nossos cinco sentidos, sem nos deixar cair em dormências desnecessárias e, após o término dessa oração, depois da compreensão da lição das palavras do Mestre se interiorizarem em nosso coração, então sim, devemos relaxar, conservar nossas mentes em silêncio de forma a manter o ambiente organizado, estruturado e aberto à espiritualidade, mas será sempre necessário que um de vós se mantenha vigilante”.

Extraído do livro de Eduardo Guerreiro "Lições de Vida Após a Morte", Chiado Editora (a ser colocado à venda no próximo mês)

sábado, 31 de dezembro de 2016

Irradiação mental



Neste último dia de 2016 desejamos a todos imensos progressos espirituais para o ano que se avizinha, lembrando a frase de Jesus, através do Espírito da Verdade: “Os que carregam seus fardos e assistem seus irmãos são os meus bem-amados”.

Cada um de nós carrega o seu fardo, mas cada um de nós pode ser sempre útil ao seu semelhante. Quer individual, quer colectivamente.

Há quem pense que uma reunião mediúnica exige médiuns ostensivos. Que o auxílio a companheiros em sofrimento ou em desequilíbrio só se dá quando existem manifestações de entidades. Nada mais errado. Um grupo abnegado, disciplinado, constituído por pessoas com fé, boa vontade em seguir as directrizes do Mestre e cujo único intuito é o de auxiliar sem nada pedir em troca, rapidamente granjeia a simpatia dos Bons Espíritos, que lhe passam a dar assistência. A situação que se segue constitui disso um exemplo.

No dia 14 de Outubro de 2007, manifestou-se um Espírito Benfeitor que transmitiu a seguinte mensagem:

“Boa noite, meus amigos.
Nada vou dizer para que deveis gravar. Apenas que mentalizeis um foco de luz sobre todos estes amigos sofredores, erguendo vossa mente para o auxílio divino, para que Jesus se enterneça e eles possam ser conduzidos a locais onde reinem a piedade por todos os erros e desatinos praticados. Concentrai vossas mentes. Uni-as às nossas numa oração ao Mestre, Jesus”.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016