sexta-feira, 1 de junho de 2007

ORAÇÃO DA CRIANÇA




3 comentários:

  1. A Porta de Entrada

    O processo da reencarnação tem, no berço, a sua porta de entrada, aureolada pelas bênçãos do amor de Deus.

    Aí prosseguem os compromissos e cuidados de todo um projecto que teve início antes da fecundação e que não se acabará quando ocorrer a morte do corpo.

    Através desse admirável mecanismo – o do renascimento – o berço passa a ensejar aos recomeçantes da experiência carnal: crescimento intelecto-moral; reparação de faltas que lhe pesam na economia espiritual; refazimento do caminho, antes percorrido com insensatez; edificação de propósitos superiores no mundo íntimo; esquecimento do mal, a fim de adaptar-se ao bem; aprendizagem das leis de amor que lhe vigem no imo, ainda desconsideradas; aproximação de adversários para a ampliação da comunidade fraternal; a conquista da família-provação ou missão, de acordo com os títulos de enobrecimento ou de débito que se possua; testes de paciência, de modo a compreender-se a grandeza do tempo sem limite; desdobramento de recursos que jazem adormecidos, e que, diante dos ensinamentos humanos, desatam ramos carregados com os tesouros de sabedoria e luz...

    A porta de entrada é a resposta da Vida, em misericórdia aos náufragos da vida.

    O Espírito foi criado pelo Amor para a glória estelar.

    O trânsito pelas vias do progresso enseja-lhe a explosão de todos os germes que lhe dormem, inatos, aguardando o momento para a fecundação.

    Cabe ao homem inteligente investir no berço os seus mais valiosos esforços, de maneira a formar uma família equilibrada e sábia.

    Esta representa a célula fundamental do organismo social, que se torna a consequência natural desse conglomerado de unidades que se necessitam...

    Em tal cometimento, o amor, o conhecimento das suas finalidades, a responsabilidade e o respeito entre os seus membros, tornam-se de vital importância para que sejam logrados os objectivos para os quais é constituída.

    Mais do que o lugar para a permuta de hormónios e prazeres, de ternuras e afectos dos cônjuges, é o reduto-santuário-escola para os filhos, que devem tornar-se a meta primeira da união conjugal.

    Quando o lar se engrandece com a presença de filhos, a família educada no bem e esclarecida programa, por automatismo, a sociedade e o futuro melhor da Humanidade...

    Para que se consigam os resultados óptimos, a educação desempenha papel de primacial importância, conscientizando os indivíduos sobre as razões pelas quais se encontra na Terra e preparando-os para as realizações do lar, da família, seu pequeno mundo, preparatório do Mundo Maior.

    Momentos de Coragem -Psicografia de Divaldo Pereira Franco - (Espírito] Joanna de Ângelis

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar